29 de mai de 2014

Dicas de Viagem | Roma, Itália






Olá, pessoal. Quanto tempo, não? Saudades do blog, de vocês, dos posts. Já de volta e ansiosa para compartilhar as novidades, começo hoje com uma série de dicas sobre a nossa viagem de férias. Um tour de 15 dias pela Itália e França. Uma viagem realmente inesquecível. E por que não dividir com vocês algumas coisinhas interessantes, né? Vou procurar ser objetiva, pois raro é aquele que dispõe de tempo para ficar traçando leituras longas. Vou listar as dicas, numerando-as e falando brevemente sobre cada uma.

(1) Nossa viagem deu certo em tudo. Vôos, reservas, hotéis, comes e bebes, atrações, transporte, companhia. Temos realmente que agradecer, pois o que planejamos ... aconteceu certinho. E temos convicção que o planejamento foi o grande fator de contribuição para o êxito. Fizemos pesquisas prévias e nos reunimos para definir roteiro e compra/reserva de hotéis, bilhetes, etc.
(2) Compramos antecipadamente todos os ingressos que podíamos, através dos sites. E tudo funcionou conforme esperávamos.
(3) A compra do ROMA PASS foi uma das melhores escolhas que podíamos ter feito. Com ele, tivemos acesso ilimitado (durante 3 dias) ao metrô, ônibus, trem e bondinhos em Roma. E ainda, acesso a várias atrações turísticas, inclusive o Coliseu (e você ainda fura a fila, passando na frente de uma multidão que se aglomera para comprar o bilhete de entrada). Pelo valor de 30 Euros, compensou demais. Usamos e abusamos. Recomendo muito para quem pretende fazer turismo em Roma. Chegamos no Aeroporto Fiumicino e pegamos um trem de lá até a Estação Termini. Chegando lá, pegamos um táxi até o hotel. O busão custou 10Euros (se não estou enganada). E o táxi, mais uns 10Euros - só que eles cobram por volumes de bagagem, adicionando ao valor da corrida.
(4) O hotel que escolhemos, de acordo com nossa disponibilidade orçamentária e interesse de localização foi o LlOYD. Consultamos o Trip Advisor para saber a pontuação dele segundo os hóspedes que já tiveram por lá. E também, fizemos a pesquisa pelo Google Earth para visualizar como era a vizinhança. E descobrimos que tinha farmácia, padaria, restaurantes e supermercados na mesma quadra dele. Isso foi um ponto importantíssimo para nós. Tem um Carrefour Express a poucos metros e fomos algumas vezes fazer umas comprinhas lá. Há uma farmácia exatamente na frente do prédio do hotel. O quarto era ótimo, cama enorme e super confortável. Lençóis bem limpos e macios. Banheiro grande e espaçoso. Atendimento excelente. O café da manhã. incluso na diária, era ótimo. Para ir de lá ao metrô, pode-se usar um bondinho que passa bem pertinho e leva até a estação mais próxima. 
(5) Comprar o ingresso do Vaticano antecipadamente e agendar o horário da visita foi outra coisa certíssima que fizemos. A fila era "imoral". Gigantesca mesmo. Com o agendamento e o ingresso em mãos, não enfrentamos fila alguma. Almoçamos muito bem num restaurante nas imediações do Vaticano, chamado Ristorante Dal Toscano. Sempre um antipasto para entradinha, e depois o prato principal.
(6) Quem curte um sorvetinho ... a Itália tem sorveteria à vontade para você escolher. E os sabores são sempre atraentes. 
(7) Paradinha para tomar uma cafê? O café italiano é super forte e a xícara, das pequeninas, vem com apenas um dedinho de café. Muito curtinho mesmo. Até coloquei uma foto nas imagens acima para vocês verem como era pouquinho.
(8) Eu errei e não levei tênis, pois não curto usar tênis. Só na academia ou nas corridas de rua. Mas, levei um par de sapatilhas na bolsa ... e sempre que cansava, trocava ... as ruas são antigas, pedras desiguais ... e só o velho tênis conforta. Mas, eu resisti e não comprei ... ;)
(9) Roupas. Calça jeans foi a companheira de quase todos os dias. Levei apenas duas e revezava. Como o clima oscilava e amanhecia sempre bem frio, saíamos com roupas em camadas. À medida que o tempo ia esquentando, íamos tirando. A camiseta segunda-pele é um salva-vidas. E uma mantinha/pashmina na bolsa sempre era acionada quando vento e o frio começavam a incomodar.
(10) Come-se muito bem em Roma. Massa, claro. Abusamos das opções mais populares na cidade. O spaghetti cacio e pepe, super tradicional prato romano, guarnecido com queijo e pimenta do reino. No primeiro dia, fui inventar de escolher uma massa com funghi e me ferrei. Não tinha nada a ver com os pratos de funghi que estamos acostumados a comer no Brasil. Aprendi e passei a escolher só opções populares na Itália: (a) cacio e pepe, (b) spaghetti all'amatriciana, (c) pomodoro e basílico e (d) carbonara. Acompanhando sempre um bom vinho (branco ou tinto) ou cerveja #adoro. Ah, e os antipastos são de ajoelhar ... mozzarella de bufala com pomodoro e basilico, as bruschettas, os legumes grelhados ... nossa ... água na boca só de falar. 
(11) Das atrações de visitamos (vai ficar muito longo falar de cada uma. mas acho que vale a pena pelo menos listar):
(a) Vaticano, Museu e Piazza San Pietro; 
(b) Piazza del Popolo - de lá você podera visitar as duas igrejas separadas por uma rua apenas: a Santa Maria dei Miracolo e Santa Maria Montesanto. 
(c) Fórum Romano; 
(d) Monumento a Vitor Emanuel II; 
(e) Campo di Fiori, uma praça no centro de Roma, onde ocorre um grande mercado, tipo feira livre. 
(f) Cruzamos o rio Tigre e passeamos bastante pelo bairro de Trastévere. Muito bacana. Vale a pena conhecer. Descansamos e nos divertimos na Piazza di Santa Maria in Trastévere.
(g) Piazza di Spagna
(h) Via Venetto
(i) Pantheon
(j) Piazza Navona
(k) Fontana de Trevi (nunca vi tanta muvuca em torno desse lugar). O mundo inteiro tinha representantes ali, fotografando tudo. Até um casal de noivos, vestidos para a cerimônia, posando para fotos. 

IMPORTANTE: muito cuidado com os camelôs. Eles estão em grande quantidade, vendendo toda sorte de produtos em todas as atrações turísitcas. O que me chamou muita atenção foi o comércio de réplicas de bolsas de grifes caras, tipo a Louis Vuitton, Prada, Gucci e Chanel. São réplicas de baixa qualidade. Eles arrumam os produtos nas calçadas e abordam você, oferecendo barganhas loucas. Eu fiquei curiosa e fui avaliar a qualidade das réplicas. Muito fracas. Um vendedor perguntou de onde eu era e quando falei que era brasileira ... o sujeito me ofereceu uma  da LV por 200 Euros, pode? Eu sai rindo e disse que ele era louco. Ele foi atrás de mim e disse que faria por 55Euros. Eu nem dei bola, pois não queria mesmo. Ele insistiu e disse que toparia por R$35. Gente, é um desaforo isso!!! E assim, são tantas histórias para contar. Cuidado!!! Não dê ouvidos a esses ambulantes. Eles são treinados para enrolar. E ainda, cuidado com os vendedores de rosas. Eles praticamente forçam a barra para te presentear com uma rosa ... e depois, não descolam de você ... querendo um trocado. Toda atenção é pouca nas bolsas, carteiras e objetos valiosos.  

Dos restaurantes que experimentamos, vou listar os que acho que é uma boa indicar. No entanto, vale ressaltar que somos pessoas curtidoras de bares e lugares mais descontraídos, nada chic e sofisticado. Gostamos de tomar uma cerveja gelada ou um vinho gostoso, curtir um bom papo com amigos, comer beliscos e saborear um bom prato principal. Então, a indicação considera tudo isso, ok? Procuramos indicações com os próprios italianos, fugindo de opções muito turísticas.
(1) Tratoria La Montecarlo;
(2) Ristorante La Toscano;
(3) Ristorante Ai Balistrari (Cucina tipica romana)
(4) Ristorante I Butteri

Nosso destino pós-Roma foi Firenze. Fomos de trem (Estação Termini). Usamos a primeira classe e foi uma maravilha. Apenas queria comentar que fiquei um pouco estressada com o assédio de imigrantes egípcios e romenos na estação. Você tem que ficar muito esperto, pois um rápido descuido é suficiente para levarem suas malas. Atenção com os pickpockets (furtadores). Eles se aproveitam dos lugares cheios e muvucados para furtarem algo de você. Isso ocorre muito, sobretudo no metrô, ônibus, trem e estações, e nas atrações turísticas com grande aglomeração.

Enfim, Roma é uma grande cidade. Andar pelas ruas romanas é sempre uma surpresa a cada quadra. Você sempre se depara com ruínas que te transportam ao mundo antigo numa fração de segundos. Abasteça sua câmera com um memory card espaçoso e não poupe os registros. Depois você deleta o que não ficou legal. É incrivelmente fascinante. Um banho de cultura! 

Sobre a moda ... nossa ... dá de tudo. Muita mulher bonita e elegante. Muito homem charmoso. E muita marmota também. Sobre isso, falarei num post individual.

CURIOSIDADES:
(1) Como o italiano usa motos tipo Scooter. São tantas por todos os lados. Homens, mulheres, jovens, senhores e senhoras. 
(2) A bicicleta é também muita usada como meio de transporte. 
(3) Impressionada com a quantidade de carros "Smart" pelas ruas de Roma. Como são minúsculos, encontram vagas para estacionar facilmente.
(4) Cachecol foi uma peça do vestuário que praticamente toda a população estava usando na época que estivemos lá. Já na primavera, porém com temperaturas ainda razoavelmente frias, o "echarpe", "cachecol e os lenços são amplamente usados para aquecer. Um acessório que pouco usamos no Brasil, mesmo aqui em São Paulo, que nos permite usar bem durante o outono e o inverno. 
(5) Vi poucas pessoas usando botas de cano longo. Ao contrário das mulheres aqui em SP, as romanas usam muito botas baixas e de cano médio a curto. 
(6) Meia-calça sempre aquece e complementa o look quentinho das romanas. De todas as cores. Lisas ou estampadas. 

Ai gente, é tanta coisa pra falar dessa cidade. É, acima de tudo, uma imersão cultural sem tamanho. É preciso gostar de história antiga, coisas velhas, grandiosas e impactantes. Eu acho o máximo, mas quem não gosta, pense um pouco antes de escolher Roma como opção de passeio. Eu me senti um personagem da história antiga e vivi três dias de sonho lá. Aproveitei bastante e amei demais tudo.  

Próximo post da viagem será sobre a Toscana, com ênfase em Firenze, ok? 
Espero que tenham gostado. Vou guardar este post numa pasta chamada Dicas de Roma, na barra lateral à esquerda do blog, ok?

Nenhum comentário: